NOTÍCIAS



22 Novembro 2017

Novo mercado provoca expansão de Shoppings Centers para cidades distantes da capital

Cidades metropolitanas e do interior se tornaram uma importante via de expansão dos shoppings centers e já ultrapassaram a quantidade de empreendimentos das capitais. Segundo dados divulgados pela Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), 48% dos malls estão localizados em capitais brasileiras, enquanto 52% estão espalhados por outras cidades.

Uma combinação de fatores coopera para o investimento em municípios que cresceram em número de habitantes e se tornaram potencial região de consumo. Bom perfil de renda, alto poder de compra e boa malha de deslocamento viário são elementos que contribuem para a chegada de grandes varejistas que desejam este mercado.

Ainda de acordo com a pesquisa da Abrasce, 67% dos centros de compras inaugurados em 2015 estão concentrados no interior e em regiões metropolitanas. Seguindo a tendência nacional, Parnaíba foi a primeira cidade do Estado a receber um empreendimento varejista fora da capital.

O Parnaíba Shopping contribui para o desenvolvimento econômico do Piauí, oferecendo serviços e lazer aos parnaibanos e visitantes. O local conta com 125 lojas, três âncoras, duas megalojas de diversos segmentos e se tornou um potencial empreendimento para novos investidores.

Marcas locais como a Vell Bizz encontraram no empreendimento, um caminho para expandir os negócios. “Ter um shopping em nossa cidade foi a oportunidade de abrir uma nova unidade da nossa loja. Aumentamos o nosso investimento em produção, gerando renda e emprego, além da visibilidade a marca, principalmente com os turistas. Tornamos a marca conhecida”, afirma a empresária Vell Rezende.

O ramo de franquias também tem se expandido e já representa 50% da rede de lojas do shopping. De acordo com o superintendente do Parnaíba Shopping, Marcelo Gurgel, a franquia é um dos formatos menos arriscados para os empreendedores iniciantes. "O setor tem uma série de vantagens que facilita o sucesso, pois o franqueado vai utilizar uma marca já consolidada no mercado e deve aproveitar a experiência administrativa e empresarial consolidada pelo franqueador", detalha.

O sistema de franquias segue em constante crescimento, contribuindo para a economia nacional e para a evolução do mercado. Mais de três mil marcas operam com franquias no Brasil e, para 2017, o negócio tem a expectativa de aumento de 4% a 5%. Dados divulgados pela Associação Brasileira de Franchising (ABF) apontam que, em 2016, o faturamento do setor foi de R$ 139,593 bilhões para R$ 151,247 bilhões. A pesquisa também mostra que as franquias resultaram num crescimento de 8,3% na receita em relação a 2015, um pouco acima da projeção feita pela entidade que apontou um índice de crescimento na faixa de 6% a 8%.

A empresária Mazé Cerejo, atualmente franqueada das lojas Carmem Steffens e Cs Club, enxergou na inauguração do shopping uma oportunidade de abrir uma franquia. “Eu já tinha a intenção de abrir uma loja, ter o meu negócio, e com a inauguração vi a oportunidade de trazer essa franquia. A localização foi um dos principais diferenciais. Ter um shopping em uma cidade do tamanho de Parnaíba é um incentivo a investir em negócios próprios”, ressalta.

Marcelo Gurgel observa que shopping center é o habitat natural das franquias porque concentra o público-alvo dos mais diversos segmentos. "O consumidor já está familiarizado com a marca e a franquia se torna, então, a primeira escolha do cliente. Como os shoppings são pontos de aglomeração de pessoas, a franquia tem mais chance de sucesso", avalia o superintendente.

Além da geração de emprego e renda, as franquias também apresentam vantagens para o franqueador, pois este sistema possibilita a expansão de seus negócios, sem a necessidade de investimentos substanciais para a criação de novos.